Facebook
Telefone: 256 949 041

Notícias

A+ A A-

Sapadores Florestais receberam novas viaturas

O Sapadores Florestais receberam 21 novas viaturas. A primeira ação de reequipamento desde que foram criadas as equipas e que corresponde a um investimento superior a dois milhões de euros. A atribuição destes equipamentos irá substituir viaturas degradadas e em fim de vida útil e assim conseguir melhorar a eficiência e as condições de trabalho destas equipas que trabalham nas Florestas.


A ministra da Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, realçou a necessidade de reequipar os sapadores florestais.
Ao intervir na cerimónia de entrega dos veículos, no Centro de Operações e Técnicas Florestais (COTF), na Lousã, Assunção Cristas recordou que os sapadores florestais foram criados em 1999 e que só agora, 15 anos depois, algumas das suas equipas beneficiam da "primeira ação de reequipamento".
Com verbas do Fundo Florestal Permanente, o Governo investiu agora 2.250.000 euros na aquisição de viaturas todo-o-terreno para os sapadores florestais.
A presidente da Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), Paula Sarmento, revelou que existem cerca de 1.400 sapadores florestais em todo o país, organizados em 278 equipas.
A ministra da Agricultura salientou que estes profissionais, além da sua participação no combate aos fogos florestais, durante o verão, realizam no inverno "um trabalho discreto e extraordinariamente importante" para defender a valorizar a floresta portuguesa.
O novo Programa de Desenvolvimento Rural, para o período 2014-2020, viu reforçado em 113 milhões de euros, em relação à última programação financeira do setor, «os fundos comunitários alocados à floresta», que aumentaram para 555 milhões de euros, acrescentou.
"Nós temos um programa para reequipar os sapadores. Brevemente faremos a entrega dos equipamentos de proteção individual" e máquinas para cuidar da floresta, disse Assunção Cristas aos jornalistas, à saída do COTF.
Na sua opinião, "são uma peça essencial da nossa prevenção estrutural, quer de incêndios, quer de questões fitossanitárias" das áreas florestais.
"Espero, no próximo ano, dar continuidade de reposição gradual das viaturas, porque assim conseguiremos ter as equipas o mais bem equipadas possíveis e preparadas para os desafios", sublinhou Assunção Cristas.


Fonte: Portugal pela Florestal